A baixa estima do brasileiro/Por Alberto Peixoto

O brasileiro volta ao fundo do poço e sem perspectiva de de reerguer.
FOTO:
Notibras.com

“O maior problema do Brasil, é a baixa autoestima do brasileiro” – Professor James Heckman, Prêmio Nobel de Economia 2000.

O povo brasileiro está se sentindo humilhado e com a autoestima em baixa. No contexto internacional, um desastre. Bolsonaro ofende autoridades com banalidades do tipo falar que a esposa de Emmanuel Macron, presidente da França, é velha e feia. Entretanto com um currículo excelente.

Brigitte Marie-Claude Macron, professora francesa de literatura do Lycée Saint-Louis-de-Gonzague, uma prestigiada escola de elite em Paris, ensinou francês e latim em La Providence, um colégio jesuíta em Amiens. Foi nesta escola que Brigitte e Emmanuel Macron se conheceram. Hoje aposentada das funções de educadora.

Como seria o currículo e descendência de Michelle Bolsonaro, esposa de Jair Messias Bolsonaro?

O presidente Jair Bolsonaro agrediu, no ultimo dia 4 de setembro em publicação no Facebook, a alta comissária de Direitos Humanos da ONU e ex-presidente do Chile Michelle Bachelet, acusando-a de seguir a mesma linha de Macron, de “se intrometer nos assuntos internos e na soberania brasileira”.

Não sentindo satisfeito, atacou o pai de Bachelet, general de brigada da Força Aérea Chilena, Alberto Bachelet Martínez, que foi preso e torturado até a morte – Santiago, 1974 – pelo “ditador” Augusto Pinochet, por ser contra as atrocidades do presidente Salvador Allende.

Como se pode ver, apologia à tortura e a ditadores está no DNA da “famíglia” Bolsonaro.

A direita burra e inexorável brasileira, através do ódio a Lula e ao PT, escolheu nas urnas um estagiário de ditador que direciona seu governo no sentido de favorecer os ricos, banqueiros e empresários. As classes mais humildes estão a cada dia mais desfavorecidas. Entre os mais carentes o índice de desemprego é alarmante; sem moradia e sem condições de frequentar uma escola; o poder de compra diminuiu com o fim do programa Bolsa Família. “A recessão tomou conta do mercado”.

O presidente eleito pela direita radical, não tem verbo – expressão, sabedoria, eloquência, a arte de bem falar – e se atém a falar “abobrinhas” nas entrevistas para os diversos canais de TV. É impossível aceitar que um chefe de Estado tenha como assunto de suas entrevistas banalidades como: quantas vezes e em quais dias as pessoas devem ir ao toilet!

Para preencher o poço de excreções “bolsonarianas”, mais uma vergonha nacional: a ONU – Organização das Nações Unidas – veta discurso do Brasil na Cúpula do Clima em Nova York. “O Brasil não apresentou nenhum plano para aumentar o compromisso com o clima” – informa o secretário-geral da ONU, Luís Alfonso de Alba.

O governo do dublê de ditador não enviou nenhum projeto para incrementar a abrangência das responsabilidades climáticas. Portanto, só foram escolhidos para participarem deste evento, países que elaboraram propostas destinadas a este segmento. Gestores intelectualizados e com assuntos extraordinários. Com conteúdo!

Pesquisa realizada pelo Instituto Paraná, revelam que para 70% dos brasileiros, os pronunciamentos de Bolsonaro dificultam mais as atividades gestoras de sua “equipe”, do que contribuem para o exercício das atividades da governança. Estes fatos revelam o alto índice de resistência às articulações de Bolsonaro com o eleitorado que não o elegeu.

Por estas e por outras ocorrências supracitadas é que a “baixa autoestima” do brasileiro está sempre em declínio. Jair Bolsonaro, “a tua piscina tá cheia de ratos, tuas ideias não correspondem aos fatos, o tempo não para” – Cazuza.

Alberto Peixoto – Escritor

Leave a Comment

Filed under Sem categoria

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.