Defesa de Temer quer socializar os prejuízos e privatizar os ganhos políticos

Presidente golpista Michel Temer (PMDB)

Seria cômico se não fosse trágico tanta insensatez a que se arvoram os advogados do presidente golpista Michel Temer (PMDB) ao encaminharem ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) a versão final da defesa na ação que pede a cassação da chapa Dilma-Temer. Para o atual presidente, o correto é fazer o julgamento separado das condutas, além da anulação dos depoimentos dos ex-executivos da Odebrecht.

O que podemos entender desta pieguice adotada por parte dos advogados de defesa do presidente é o seguinte: vamos socializar os prejuízos e preservar ou privatizar os ganhos políticos. Tal atitude demonstra muito bem o quanto à justiça brasileira é vulnerável as insanidades e artifícios perpetrados pelos nossos jurisconsultos a soldo de considerável remuneração.

Sobre o pedido de separação no julgamento da chapa Dilma Rousseff-Michel Temer, o argumento, se é que podemos denominar tal ato como argumento palpável e digno de ser levado em consideração. A defesa alega que, quando foi candidato à vice de Dilma, Temer fez a opção de uma conta separada, e por isso “tem o direito de ter sua conduta individualizada”.

Os advogados dizem que na Constituição está prevista que a eleição de um presidente implica na do seu vice, mas que a destituição de um não significa a destituição do outro. “Trata-se da mesma porta de entrada, mas de saídas diferentes”. Isso é que podemos denominar como sofisma: argumento que apresenta verossimilhança ou veracidade, mas que comete involuntariamente incorreções lógicas; paralogismo.

Sérgio Jones

Jornalista

 

Leave a Comment

Filed under Sem categoria

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.