Feira de Santana: governo fomenta irregularidades na construção civil Ilegalidades na construção civil/Por Carlos Lima

Feira de Santana anos 60
FOTO: Arquivos Google

Após denúncia no programa Fantástico da Rede Globo de televisão, no último domingo (10), sobre o escândalo pelo uso irregular de recursos públicos na aprovação de projetos da construção civil, lamentamos que as investigações realizadas não ocorram em Feira de Santana.

Os condomínios construídos por grandes construtoras, destinados a classe A e B, no município de Feira de Santana, sempre apresentam irregularidades similares, que vão do escoamento do sistema de esgotamento sanitário, até invasão de via pública, sem que exista o rigor legal na fiscalização exercida pela Prefeitura.

Várias denúncias já foram realizadas ao poder público sem que o mesmo adote medidas saneadoras, visando deter esse tipo de ilegalidade.
As quais persistem com a indiferença do governo, deixando transparecer que existe algo mais por trás desses atos suspeitos

. Enquanto construtoras de menor porte como a VASCO MARINHO, que participaram de licitações públicas e concluíram as obras contratadas, está passando dificuldades financeiras em virtude do governo municipal não cumprir com o pagamento contratual mantido com a mesma.

Esta realidade tende a se agravar uma vez que o comportamento do executivo foge de qualquer solução para o problema.

Denúncias outras tem surgido de forma intensa no que diz respeito ao fornecimento do Habite-se, ou seja, liberação do imóvel construído para moradia.

Dificuldades são criadas para se obter facilidades.

É preciso que o município passe por uma rigorosa auditoria objetivando identificar, punir e acabar com esse tipo de relação financeira abusiva no município.
É preciso mudar para melhorar.

Carlos Lima, Jornalista

Leave a Comment

Filed under Sem categoria

Concentração do poder político prejudica o desenvolvimento de Feira de Santana/Por Carlos Lima

Feira de Santana, década de 50 – Século XX
FOTO: Acervo Carlos Melo

É quase impossível acreditar num comportamento democrático de um grupo político que controla um município por 20 anos e tenta se perpetuar no poder.
É como o ditado popular que diz que o hábito do uso do cachimbo. Deixa a boca torta.

O sentimento de poder se transforma em sentimento de propriedade e implicitamente lhe assegura a certeza de que podem, devem e fazem o que querem a qualquer hora em qualquer situação.

Feira de Santana passou a conviver com essa aberração política. Inclusive seus governantes atuais se acham no direito de perseguir e calar os contrários ou aqueles que eles criaram qualquer tipo de repulsa.

Estão simplesmente tentando edificar o pensamento único. O perigo é explosivo. A mudança é imprescindível.

Essas lideranças a princípio trouxeram alguns benefícios, mas o círculo vicioso de poder contaminara suas ações.


A corrupção foi desenvolvida em vários casos com eficiência tecnológica e as denúncias e investigações não são devidamente apuradas.

As decisões passaram a ser monocráticas, de projetos pessoais, enquanto a construção da altivez social e coletiva escoa pelos ralos dos interesses.

O grupo político que domina o colégio eleitoral do município deve ser repensado. Está fatigado, denunciado e de credibilidade questionável diante de algumas operações realizadas e a serem, como a Pityocampa, na área de saúde, que atualmente dorme em berços esplêndidos.

A suspeição paira sobre: serviços de limpeza pública, transporte coletivo, como o BRT, onde já se gastou mais de 100 milhões de um orçamento de 86 milhões, merenda escolar, recursos do Fundeb entre outros.

Vamos nos debruçar no processo eleitoral de 2020, quando ocorrerão as eleições municipais.

Esta será a verdadeira oportunidade de oxigenar a nossa política e proporcionar as mudanças tão necessárias e exigidas pela democracia.

Vamos votar para mudar.

Parte superior do formulário

Carlos Lima, Jornalista

Leave a Comment

Filed under Sem categoria

E agora, José?/Por Alberto Peixoto

E agora, José?
FOTO: Apeixoto

O poema “José” de Carlos Drummond de Andrade, já em 1942 explicita a sensação de solidão e abandono das pessoas no Brasil atual, a sua falta de esperança e o sentimento de que está esquecido na vida, sem noção de que caminho seguir.

Este poema retrata os brasileiros dos dias atuais, vítima de um governo neofacista e da irresponsabilidade de quem o elegeu.

José, e agora, José? A festa acabou, a luz apagou, o povo sumiu, a noite esfriou… e agora, José? E agora, eleitores de Bolsonaro? Ir para onde? Está sem discurso, está sem mulher… o dia não veio, o bonde não veio, o estudo acabou e tudo fugiu e tudo mofou. Sua incoerência, seu ódio – e agora, José? Você é duro, José. Sozinho no escuro qual bicho-do-mato, sem parede nua para se encostar…Você marcha, José! José, para onde?

O melhor aluno brasileiro é pior do que o pior aluno coreano – Fernanda Pacobahyba, educadora, doutora em Direito Tributário e Secretária da Fazenda do Estado do Ceará.

A educação parou, a luz do conhecimento apagou, o aluo sumiu, a noite da ignorância acabou com os sonhos dos jovens que tinham a esperança em um futuro melhor, mas o ódio dos menos ou totalmente sem capacitação, varreu este sentimento da vida dos brasileiros.  

José, brasileiro comum, vítima de um sistema social perverso que mantem sua vida em uma complexa sociedade onde a falta de educação, cultura, arte e a liberdade está passando a ser um problema social histórico, sempre ligado à exploração dos mais poderosos contra os mais fracos.

Para extirpar de vez este mal da face da Terra, é fundamental acabar com o capitalismo selvagem e toda forma de exploração do homem pelo homem.

Em contrassenso com o momento em que vivemos, momento em que já se desenvolveu a teoria de controle e a teoria geral de sistemas complexos, alinhando-se às funções de controle e comunicação, onde a robótica e a computação possibilitam uma ligação inteligente entre a percepção e a ação, não é fácil aceitar ser gerido por um presidente analfabeto funcional e 100% analfabeto político, apoiado pelos seus três patéticos filhos e por grupos – pessoas e eleitores – do mesmo calibre. E agora, José?… para onde?

Este texto foi baseado no poema “José” de Carlos Drummond de Andrade, que nasceu em Itabira (MG) em 1902 e faleceu em 1987 no Rio de Janeiro. Foi um dos mais influentes poetas do século XX.

Alberto Peixoto, Escritor (comendadoralbert@bol.com.br)

Leave a Comment

Filed under Sem categoria

Investidores internacionais por não acreditarem em Bolsonaro deixam de participar do megaleilão do pré – sal / Por Sérgio Jones*

Plataforma marítima no Pré-sal
FOTO: Mtrópolis

Ocorrido nesta quarta-feira (6), anunciado como histórico pelo governo brasileiro, o megaleilão do pré-sal teve um resultado esperado muito aquém do previsto. Foi tão pífio quanto o governo do atual presidente Jair Bolsonaro que tem se projetado na mídia local e internacional, não pelas suas ações meritórias, mas pelos sucessivos erros cometidos nas mais diversas instâncias das esferas governamentais.

O arrecadado em toda esta ação burlesca foi R$ 69,96 bilhões (cerca de US$ 17,3) por duas das quatro áreas em jogo e um forte investimento da Petrobras. Na visão de alguns especialistas, a licitação foi “um desastre total”.

Entre a ficção e a realidade, prevaleceu a primeira. Os prepostos e lacaios do governo esperavam arrecadar R$ 106,5 bilhões com o leilão das áreas localizadas em águas profundas (“pré-sal”), situadas na Bacia de Santos. A venda foi ignorada pela maioria dos grandes grupos de petróleo mundiais.

A Petrobras praticamente participou sozinha. E dos 4 campos, apenas dois foram arrematados (Búzios e Itapu). As áreas Sépia e Atapu ficaram na berlinda, o que significa dizer que não houve interessados.

Tal resultado frustrou profundamente os anseios do governo de Jair Bolsonaro, que esperava ‘recuperar’ as finanças públicas com a licitação. O percentual que as petrolíferas se comprometem a pagar ao Estado se mantiveram no lance mínimo estabelecido pela Agência Nacional do Petróleo (ANP).

O que ficou explícito é que nenhuma petrolífera internacional se aventurou fazer qualquer lance nessa empreitada, o que pode ser considerado como um rotundo fracasso”. “O pregão foi obstruído por valores muito altos e por uma falta de transparência”, é o que argumentam observadores e especialistas do setor.

Sérgio Jones, jornalista (sergiojones@live.com)

Leave a Comment

Filed under Sem categoria

Candidatura à reeleição de Colbert continua ameaçada/Por Carlos Lima

Colbert e Ronaldo
FOTO: Carlos Lima

Após o presidente do DEM e prefeito da capital baiana, ACM Neto dizer que o partido terá candidatura própria em 28 das 50 maiores cidades da Bahia, deixou o prefeito de Feira de Santana, Colbert Martins (PMDB), com a possibilidade de não ser inserido entre os candidatos que podem receber apoio político, da sigla, em sua tortuosa caminhada à reeleição.

Feira de Santana é o segundo maior município, e colégio eleitoral da Bahia. É evidente que o DEM não pretende abrir mão de indicar o candidato a prefeito, que atualmente é administrado por um prefeito pemedebista, indicado pelo ex-prefeito José Ronaldo (DEM), que renunciou o mandato para ser candidato a governador, numa aventura que lhe conduziu uma fragorosa derrota.

A derrota também criou vácuo, de poder do DEM, nos últimos 20 anos. Observando a lógica política é inquestionável que o DEM não abra mão de reivindicar eleitoralmente o poder para si. Retomada que acredita ser legitimamente de direito.

O empasse está estabelecido no cenário político de Feira de Santana.

Outro grande risco para Colbert é que ele pode perder aliados no legislativo feirense, uma vez que o ex-prefeito José Ronaldo possui uma liderança maior e consequentemente Colbert não receberia o apoio desses edis, caso ele sega a orientação partidária.

Zé Filé ainda afirmou que mesmo indo apoiar a candidatura de Zé Neto, vai migrar do PROS para o partido de seu líder Fernando Torres, o PSD. “Quem sabe Fernando Torres possa conversar com Zé Neto e de repente ser o seu vice”.

Na política nada é impossível, principalmente quando todo o processo eleitoral do grupo atual para permanecer no poder em Feira de Santana, passa pela liderança e decisão de José Ronaldo.

Carlos Lima, Jornalista


Leave a Comment

Filed under Sem categoria

Carneiro faz proselitismo para justificar gastos públicos /Por Carlos Lima

É necessário utilizar ferramenta analítica para monitorar gastos públicos
FOTO: Arquivos Google

Mais uma surpreendente declaração estapafúrdia do presidente do legislativo feirense, o vereador José Carneiro (PSDB).

O fato ocorreu quando a vereadora Cíntia Machado (PRB), informou que o congresso do qual participaria em Aracaju, promovido pela empresa “Lemais” não foi realizado.

Cíntia embarcou com destino ao local do congresso, ao chegar foi informada por preposto da empresa promotora do evento de que não existia programação.

A vereadora de imediato comunicou o fato à Câmara, solicitou o ressarcimento aos cofres públicos e devolveu as diárias recebidas. Procedimento legal.

Em razão do ocorrido, o presidente da Câmara, José Carneiro, no programa radiofônico, ‘Acorda Cidade’ soltou mais uma de suas declarações incongruentes:

“Nesses congressos são debatidas uma série de questões, há um intercâmbio entre os vereadores que se encontram e discutem, às vezes, se aproveitam ideias de outros vereadores de outras cidades e posso te assegurar que já apresentei projetos aproveitados em outras cidades e acho isso interessante. Participo todos os anos e com muito orgulho, porque vou lá aprender”.

Vamos esmiuçar essa declaração:“Nesses congressos são debatidas uma série de questões”.A questão do tempo? As questões turísticas? As questões sobre a possibilidade de ampliação dos dias do congresso? A questão da redução da discussão legislativa? As questões são amplas e irrestritas.

“Há um intercâmbio entre os vereadores que se encontram e discutem, às vezes, se aproveitam ideias de outros vereadores de outras cidades”.

Acredita-se que esse intercâmbio entre eles, na visão de analistas políticos, está mais para a ampliação financeira, que engordam os vencimentos dos parlamentares. O custo benefício é nenhum.

“E posso te assegurar que já apresentei projetos aproveitados em outras cidades e acho isso interessante”

Na verdade para se conhecer projetos de Lei apresentados e aprovados em outras Câmaras municipais, não existe a necessidade de contato pessoal, a mídia eletrônica preenche as Necessidades por ele alegada. Talvez ele não saiba utilizar a internet.

“Participo todos os anos e com muito orgulho, porque vou lá aprender”.

Para a opinião pública esse argumento não procede, o aprendizado alegado é bastante discutível, nunca foi sentido, observado ou identificado. A interpretação popular diz que tal prática é de pouco aproveitamento na defesa dos interesses da população.

A declaração do chefe do Legislativo é interpretada entre as camadas sociais do município como um abuso na aplicação e administração dos recursos públicos. Além desse, existem outros questionamentos que colocam, no imaginário popular, a existência de uma desordem na aplicação dos recursos que são destinados à Casa do Povo.

Se esse tipo de aprendizado fosse bancado com recursos próprios, será que ele estaria fazendo tal proselitismo em torno dessa prática?

Carlos Lima, Jornalista

Leave a Comment

Filed under Sem categoria

Brasil conta com mais de 12 milhões de trabalhadores pobres com nível superior/ Por Sérgio Jones*

pobres estão sentindo os efeitos da recessão econômica que atingiu seu ponto mais alto
FOTO: O Globo

Conforme dados fornecidos pelas Pesquisas Nacionais por Amostra de Domicílios – Pnad Contínua, publicados recentemente pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE, demonstram que os estratos sociais mais pobres estão sentindo os efeitos da recessão econômica que atingiu seu ponto mais alto em 2016.

O economista Waldir Quadros analisa as condições de vida da população de baixa de renda divididas em três categorias gerais: “superior dos pobres”, que corresponde ao que alguns pesquisadores chamam de “baixa classe média”, “pobres” e “miseráveis”.

Observa ele, que 80% dos ocupados são classificados em alguma dessas categorias de pobres: 40% estão na camada ‘superior dos pobres’, 27% na camada dos ‘pobres’ e 13% na camada dos ‘miseráveis’”. Em termos de renda, informa, aqueles que estão na camada “superior dos pobres” têm uma renda média mensal de 1.700 reais, os “pobres” recebem 920 reais mensais e os “miseráveis”, 310 reais mensais.

Ele acredita que estamos diante de uma bomba-relógio. Cerca de 5,8 milhões de ocupados com ensino superior incompleto, 4,6 milhões são ‘pobres’. Mais grave ainda: 8,3 milhões de ocupados que estão classificados na categoria ‘pobres’ têm ensino superior completo. Se juntar aqueles que têm ensino superior incompleto e os que têm ensino superior completo, o universo é de 12,9 milhões de trabalhadores ‘pobres’ com nível superior”, afirma.

Tal realidade se apresenta para o conceituado economista como prenúncio de futuros acirramentos sociais, por entender que esse pessoal não vai aceitar essa condição tranquilamente, porque eles foram fazer faculdade, boa parte pagando a mensalidade com o Fies, esperando uma melhora de vida, e agora não tem melhora.

A constatação é que devido ao elevado número de desempregados quanto os ocupados que têm nível superior completo estão vivendo num nível social muito inferior, o qual é incompatível com o que se espera de alguém que tem uma educação de nível de ensino mais apurado.

A concentração cada vez mais brutal de rendas associadas ao desemprego de expressiva parcela da população ativa, que está acontecendo no Brasil. São ingredientes, mais do que suficiente, que poderão conduzir o país para uma conflagração social, de resultados inimagináveis.

Sérgio Jones, jornalista (sergiojones@live.com)

Leave a Comment

Filed under Sem categoria

Feira: lideranças políticas carcomidas e saturadas/Por Carlos Lima

Antigo prédio da Prefeitura Municipal de Feira de Santana
FOTO: Acervo do Prof. Carlos Melo

Não seria nenhuma novidade que essa aliança cantada em versos e prosas entre Ronaldo e Colbert, não seja o Inferno de Dante.

Ronaldo e seu pupilo até o presente momento não vêm demonstrando uma positividade política internamente, com isso, surge nesse horizonte a provável fatalidade na continuidade do poder.

O líder, assim admitido por alguns, teme que a capilaridade eleitoral do seu pupilo, desmorone, colocando em risco sua hegemonia.

Essa liderança considerada nociva por parte da sociedade feirense, que já se prolonga por décadas, não pretende passar o bastão.

Nesse desejo de se perpetuar no poder, está reconhecendo que Colbert Martins não é o candidato que possibilite a continuidade desse grupo hegemônico liderado por ele.

O egoísmo político da liderança maior ficou evidenciado no seu afastamento da Prefeitura na última eleição, nacional, para se aventurar em uma candidatura ao Governo do Estado, fadada a derrota.

Até hoje não ficou claro quais foram às motivações que o conduziram a tomar uma decisão tão estapafúrdia.


Seria a vaidade?

Há muitas controvérsias. Uma delas com maior destaque e badalada nos bastidores políticos avaliam hipoteticamente, a existência de questões financeiras.

Politicamente na maior cidade do interior da Bahia o líder conseguiu cooptar as oposições existentes dentro do seu campo político, neutralizando e desconstruindo os prováveis avanços de lideranças como Colbert Martins, Sérgio Carneiro, Zé Chico dentre outros nomes de menor densidade eleitoral.

Não seria nesse momento que iria tomar a decisão de soerguer politicamente aqueles que por ele foram derrotados na arena política.

Diante da situação o que fica evidenciado é que ele deve optar por um nome que seja mais persuadível, e que esteja em sintonia com os seus interesses, como a sua continuidade na liderança política.

Não há indícios de que ele esteja pensando em se aposentar politicamente, o seu projeto ainda descortina uma jornada em 2024 em provável candidatura a prefeito, ou manietando seus liderados.

Nesse tabuleiro do xadrez político, fica evidenciado que o atual modelo não mais corresponde aos interesses da sociedade feirense, em seus mais legítimos e reais anseios.


Este é momento de se promover uma mudança efetiva na política de Feira de Santana.

Por Carlos Lima

Leave a Comment

Filed under Sem categoria

Cada povo tem o governo que merece/Por Albert Peixoto

“Povo marcado, povo feliz”, já dizia o Zé Ramalho na sua canção
FOTO:
Margarida Martins

Em 1821 o filósofo francês Joseph-Marie Maistre – 1753-1821 – crítico ferrenho da Revolução Francesa, entrou para a história ao escrever a frase “cada povo tem o governo que merece”. Esta frase foi publicada e registrada em carta 40 anos mais tarde, fazendo referência a ignorância popular com relação à escolha de seus representantes políticos.

Segundo Maistre, os exageros – incompetência – de um governo, é fruto da participação no processo político do povo que tem direito ao voto, mas não sabe usá-lo.

No Brasil de hoje, a situação é muito parecida com a da França do século XVIII. Em uma democracia “adolescente” e com a educação sucateada, o voto é determinado pelo poder econômico e pelas promessas subservientes de campanha, patrocinadas por candidatos – clientelismo político – na sua grande maioria, analfabetos políticos com o único interesse de se darem bem – fazerem seu “pé de meia”.

Fazendo uma analise mais ampla do político brasileiro, chega-se à conclusão de que estes não têm o mínimo necessário de conhecimento das questões econômicas, sociais e de saúde do país; nenhum conhecimento em educação, cultura e arte; e um conhecimento insignificante em mobilização urbana.

Infelizmente, a população brasileira é formada por uma fatia que gira em torno de 80% de analfabetos funcionais. Para os institutos de pesquisa, simplesmente ler e escrever não é considerado alfabetizado. É necessário entender o que leu e emitir um parecer sobre o assunto. Há uma parcela bem maior de analfabetos políticos, neste último segmento, principalmente os próprios políticos.

O brasileiro, um povo pouco intelectualizado, não acompanha a atuação dos que elegeu, por isso não faz nenhuma cobrança sobre sua atuação. Não lembram em quais candidatos votaram no último pleito, muito menos quem é o vice-prefeito de seu município.

Na maioria das vezes o eleitor brasileiro escolhe seus candidatos através dos telejornais das oito, com seus comentários espetaculosos a respeito de um candidato (a) do interesse da emissora, ou através do candidato (a) mais simpático (a), ou ainda através daquele que lhe deu alguns sacos de cimento ou torce por seu time de futebol.

A escolha dos governantes brasileiros é encarada como um desfile de escola de samba no carnaval, ou até mesmo um jogo de futebol. Aquele para quem se torce tem que ganhar, não importando se a questão é o oportunismo de se infiltrar na vida pública por interesses escusos, ainda que não sejam os mesmos da sociedade.

Alberto Peixoto, Escritor

Leave a Comment

Filed under Sem categoria

Jornalista Sérgio Jones ingressa com notícia crime e ação judicial por abuso de autoridade contra o vereador José Carneiro Rocha, presidente da Câmara Municipal de Feira de Santana

Jornalista Sérgio Jones foi duas vezes vítima das agressões do vereador José Carneiro Rocha, presidente da Câmara Municipal de Feira de Santana.
FOTO: jornalgrandebahia.com.br

Jornalista Sérgio Jones foi duas vezes vítima das agressões do vereador José Carneiro Rocha, presidente da Câmara Municipal de Feira de Santana.
Jornalista Sérgio Jones foi duas vezes vítima das agressões do vereador José Carneiro Rocha, presidente da Câmara Municipal de Feira de Santana.

Jornalista, colaborador do Jornal Grande Bahia (JGB) e do CL Jornal, ex-funcionário comissionado da Câmara Municipal de Feira de Santana, Sérgio Antonio Costa Jones protocolou em 24 de outubro de 2019 (quinta-feira) notícia crime contra o vereador José Carneiro Rocha (PSDB), presidente do Legislativo Municipal. Além disto, em data anterior, ingressou na Vara da Fazenda Pública requerendo revogação de ato praticado pelo edil, por evidente abuso de autoridade.

1º Ato: o abuso


A controvérsia entre José Carneiro Rocha e Sérgio Jones teve início quando foi publicado em 16 de setembro de 2019, no CL Jornal, site de notícias dirigido pelo jornalista Carlos Lima, artigo com título ‘Dirigindo às cegas presidente da câmara põe risco segurança do trânsito em Feira de Santana’. Assinado pelo próprio Carlos Lima, o artigo abordava a aparente dificuldade visual que o vereador demonstrava ao dirigir o próprio veículo o que, em tese, pode levar a grave acidente de trânsito.

Irresignado com o artigo, o vereador atribui, sem provas, a autoria do artigo ao jornalista Sérgio Jones e o demitiu sumariamente do cargo de confiança que detinha no gabinete do vereador Gilmar Amorim. Neste ponto, reside o evidente abuso de autoridade caracterizado em dois aspectos, primeiro, o vereador atribuiu autoria do artigo à Sérgio Jones, depois, a revelia da autoridade à qual Sérgio Jones estava nomeada, determinou a demissão sumária, sem direito ao contraditório e sem apresentar argumento plausível para tal fim. “Fi-lo porque qui-lo”.

Em contato pessoal com Sérgio Jones, o próprio Gilmar Amorim confessou estar surpreso com a atitude do presidente e disse que jamais assinaria qualquer documento requisitando a demissão do jornalista, porque o considerava um excelente profissional, pessoa séria e íntegra, que agia de forma correta e leal.

2º Ato: o arbítrio


Mas, como o arbítrio é sempre o recurso dos tolos. Pouco contente em demitir Sergio Jones do cargo comissionado, o vereador José Carneiro, ao encontrá-lo, fez uma abordagem autoritária, agrediu verbalmente com uso de palavras impronunciáveis por pessoas civilizadas e, até mesmo, o chamou para uma disputa violenta, tipo combate mano a mano, apontando a parte externa das dependências da Câmara Municipal, como local onde iria dar uma surra em Sérgio Jones, que por sinal, é qualificado como idoso pela legislação federal.

Presenciado por servidores do legislativo, gravado por câmeras de vigilância, o episódio está, neste momento, circunscrito a um episódio policial, que se tornará, em breve, em novos processos judiciais, contra o edil.

O Poder Legislativo de Feira de Santana foi, neste aspecto, conspurcado pelo fétido odor da vilania, do arbítrio e da violência e cabe aos vereadores que se julgam sérios, depurar o mal que infesta o poder público.

Confira nota encaminhada por Sérgio Jones ao Jornal Grande Bahia (JGB)
Presidente do legislativo feirense ameaça agredir jornalista no interior da Câmara | Por Sérgio Jones

Na manhã desta quinta-feira (24), por volta das 08:00h o jornalista, Sérgio Jones, quando se encontrava no interior da Sala Vereador Antônio Carlos Daltro Coelho – Divisão Legislativa, conversando com um dos funcionários daquele setor, foi surpreendido com a entrada brusca do presidente da Câmara José Carneiro Rocha.

Portando carteira de habilitação em uma das mãos partiu em direção do profissional de imprensa alegando ser portador da mesma, o que o tornava apto para dirigir veículos automotivos. Como se não bastasse o ato tresloucada, se utilizando de palavras de baixo calão se dirigiu ao mesmo. Não se dando por satisfeito, pelas agressões verbais, mandou que ele se retirasse da sala para que o agredisse fisicamente, na parte externa do prédio. O que só não aconteceu pelo fato de a vítima não ter atendido o seu chamado.

No local do ocorrido se faziam presentes os servidores identificados pelos prenomes de Charles, Iramar e Edna. O fato de insanidade apresentado pelo vereador agressor tem como precedente a um artigo veiculado recentemente, em que o denunciava que o edil se encontrava dirigindo veículo de sua propriedade. Quando tentava estacionar o mesmo, no estacionamento do prédio da Câmara. A dificuldade em realizar a manobra do automotivo, chamou a tenção dos transeuntes que circulavam no local naquele momento.

No período veiculou-se uma nota no site CLjornal. Que chama a atenção para o risco deste cidadão em dirigir automotivos. O presidente do Legislativo, como é do conhecimento geral, sofre de grave deficiência visual. O artigo questionava o fato diante do perigo que a atitude do vereador representava para a segurança das pessoas e até dele próprio que circulam pelas ruas avenidas da cidade. Comportamento este, desnecessário já que ele dispõe de motorista e veículo da Câmara, que é bancado pelo erário.

A veiculação do artigo, que não foi assinado por mim, resultou na demissão arbitrária do legislativo onde eu prestava assessoria ao vereador Gilmar Amorim, este sequer foi consultado sobre a minha exoneração.

Também foi questionado o papel da Ciretram que forneceu a Carteira de Habilitação. Afinal o citado cidadão foi submetido ao teste de acuidade visual? Se foi o que permitiu a entrega deste documento? O que fica registrado é que o presidente demonstra não ter equilíbrio emocional nenhum para continuar frente a este poder.

Diante do fato inusitado, só me resta uma alternativa, formular uma queixa crime contra o agressor. O que estou fazendo neste momento.

Sérgio Jones, jornalista (sergiojones@live.com)

Artigo assinado por Carlos Lima relata dificuldade visual do vereador José Carneiro Rocha, presidente da Câmara Municipal de Feira de Santana, em dirigir o próprio veículo.

Artigo assinado por Carlos Lima relata dificuldade visual do vereador José Carneiro Rocha, presidente da Câmara Municipal de Feira de Santana, em dirigir o próprio veículo.

PUBLICADO POR: CARLOS AUGUSTO 29 DE OUTUBRO DE 2019 NO JORNALGRANDEBAHIA.COM.BR

Leave a Comment

Filed under Sem categoria