Prefiro/Por José Manuel Cruz Cebola

Prefiro os que sonham.
Prefiro o mar chão, mas gosto de ver o mar revolto.
Prefiro os lagos, mas adoro andar à beira-rio.
Prefiro as planícies, mas adoro subir a uma montanha cheia de neve..
Prefiro o silêncio, mas adoro o riso bulicioso das crianças.
Prefiro o nascer do dia.
Prefiro o sol.
Prefiro o calor.
Prefiro a noite, o mundo lá fora adormecido e um livro.
Prefiro o jazz, a música clássica e a cantada em português de cá ou do Brasil ou de Cabo Verde. Não esqueço o Brel, o Reggiani, a Barbara, a Greco, o Yves Montand. Rendo-me à Amália, à Piaf, à Callas.
Prefiro amar. Prefiro ser amado.
Prefiro a lealdade, a verdade, a dignidade.
Detesto a intriga, a má-língua, a falsidade, a maldade, a mediocridade.
Não gosto de festas grandes, de festas de calendário, de casamentos, de acontecimentos sociais. Prefiro os amigos e a intimidade. Prefiro jantar. Prefiro vinho tinto.
Gosto de comida portuguesa, baiana, francesa, do Alentejo, das Beiras. Mais do que tudo gosto de partilhar a mesa com os amigos que sabem comer.
Preciso de partilha. Preciso de entrega.
Adoro cães, gatos, vacas, burros, águias, cegonhas, falcões, golfinhos, todos os bichos, quase todos. Desculpem-me os ratos, as moscas, as baratas. Adoro estar com a natureza.
Adoro ler na praia. Adoro água. Para beber, para nadar.
Adoro a transparência. Adoro a luz.
Gosto de viajar de carro, de avião, de passear de barco muito muito junto à costa. Adoro estar em casa. Adoro casas.
Gosto de construir seja o que for. Detesto destruir seja o que for. Gosto de reciclar objectos velhos.
Gosto de utopias. Gosto de lutar por ideais. Prefiro quem tem ideais.
Gosto de ter esperança e de acreditar. Não tenho medo de perder. Tenho medo de perder a saúde.
Não gosto de desistir. Sonho com casas no campo e na praia. Cansam-me as cidades grandes.
Gosto do anonimato nas grandes cidades. Gosto de aldeias e vilas. Irrita-me o ruído.
Adoro aprender. Adoro que me ensinem. Adoro descobrir coisas novas. Adoro os contadores de histórias.
Adoro rir. Gosto da inocência. Gosto de gente sábia. Gosto da simplicidade e da humildade das grandes pessoas.
Gosto de contribuir para a felicidade dos outros. Gosto de proteger. Gosto que me protejam.
Gosto de livros com poemas, romances, ensaios, contos, biografias, pintura, fotografia, arquitectura. Gostava de saber pintar, de saber cantar, de saber tocar piano, de escrever poesia, de escrever peças de teatro. Não gosto de emprestar livros. Não gosto de ler livros emprestados. Gostos de sublinhar os livros. Gostava de saber falar sem me atrapalhar. De não tropeçar nas palavras.
Gosto de namorar. Gosto de me apaixonar. Por pessoas, por projectos, por locais.
Gosto de gostar.
Gosto de admirar. Gosto de contemplar. Gosto de ser surpreendido e de surpreender.


José Manuel Cruz Cebola – Crítico

Sintra/Portugal

Leave a Comment

Filed under Sem categoria

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.